IEMI divulga estudo sobre produção brasileira de jeans

Um estudo inédito realizado pelo IEMI – Instituto de Estudos e Marketing Industrial, especializado no setor têxtil e confecção, aponta que no segmento de vestuário, o jeanswear foi o artigo mais produzido no Brasil nos últimos anos. De 2008 a 2012 a produção apresentou forte crescimento em volumes de peças confeccionadas, em ritmo superior a 6% ao ano, o que gerou expansão acumulada de 27% no período. “A partir desses dados foi possível concluir que esse crescimento superou a expansão da produção de vestuário em geral no País, que acumulou, no mesmo período, crescimento de 4,1% em peças, ou 1% ao ano”, afirma Marcelo Prado, diretor do IEMI que acaba de lançar a primeira edição do “Estudo do Mercado Potencial de Jeanswear no Brasil”. Para se ter uma dimensão da representatividade desse segmento no setor de confecções, em 2012 foram produzidas 349,8 milhões de peças jeans, representando um crescimento de 27% a mais quando comparado a 2008.

“O jeans sempre esteve presente em nossos estudos sobre o mercado, mas nunca havíamos desenvolvido uma análise tão ampla e de forma isolada deste produto. Ao longo dos últimos anos, separamos tudo o que é confeccionado em tecidos índigo do restante dos artigos do vestuário e, com isso, conseguimos mapear o segmento de jeanswear” explica Prado, acrescendo que o documento apresenta números expressivos deste mercado.

O segmento de jeanswear conta com 6,2 mil empresas produtoras, que representam 22,4% do total das confecções de vestuário em geral. Essas empresas empregam 319,5 mil trabalhadores, ou seja, 26,3% do pessoal ocupado na indústria do vestuário. A sua maior concentração ocorre no Sudeste, mas possui, também, forte representação no Sul e Nordeste do País, com destaque para os estados do Paraná, Pernambuco e Ceará.

Para 2013, as estimativas para a produção de jeanswear são de crescimento de 3,5%, enquanto que para o vestuário em geral são de queda de 0,8%. Com isso, a participação desse produto no mix geral do segmento de vestuário subiu de 4,7% das peças confeccionadas para 6%. Ainda segundo o IEMI, no próximo ano as expectativas são de que este produto continue a aumentar a sua participação na indústria nacional. Quando analisado em valores, o jeanswear vem apresentando resultados igualmente superiores aos apresentados pela indústria do vestuário em geral.

Mesmo com o bom desempenho da produção nacional,  o estudo do IEMI mostra que as importações de jeanswear  também avançaram bastante nos últimos anos, favorecidas pela forte valorização do real frente ao dólar americano, afetando a competitividade dos produtos industrializados no país em relação aos importados.

Todavia, apesar deste forte crescimento, os analistas do IEMI concluíram que a participação do jeanswear importado não deve alcançar mais que 6,3% do volume total consumido no país, preservando aos produtores e marcas nacionais o amplo domínio do mercado interno. No médio prazo, com o retorno da taxa de câmbio a uma posição de maior equilíbrio, espera-se que o Brasil recupere, inclusive, a capacidade de exportar parte de sua produção, desde que esta agregue valor ao produto, baseado em conceitos de marca, inovação e brasilidade, detalha Marcelo Prado.  “O Brasil ainda é muito competitivo na produção de produtos originais e diferenciados de médio e alto valor agregado, mas não tem como concorrer lá fora, oferecendo cópias de produtos europeus e americanos, a preços baixos. Esta estratégia hoje é privilégio dos asiáticos” conclui o economista diretor do IEMI. (Fonte: Guia do Jeanswear – 30/10/2013)

 

>> Leia a matéria na íntegra

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços

 


Comentários

  1. Karmo Teixeira - 4 anos atrás

    O futuro do jeans é o Hibrido "quase jeans" ou o "não jeans" O denim do futuro tera uma fusão com outros materiais e texturas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.