Recuperação do setor de calçados ficará para 2015, dizem fabricantes

Apesar de as empresas nacionais de calçados torcerem por uma retomada das vendas no segundo semestre de 2014, a redução de expectativas para produção e vendas e o fraco movimento na Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios 2014 (Francal) indicam que uma recuperação só virá em 2015, segundo fabricantes ouvidos pelo DCI na semana.

A Kalce, fabricante paulista de calçados masculinos, esperava um aumento de 21% da receita neste ano, mas a queda de 50% das vendas entre janeiro e maio levou a marca a trabalhar com uma expectativa mais modesta e a reduzir seu quadro de funcionários em 25%. Em 2013 a empresa faturou R$ 5 milhões, alta de 16% ante 2012.

“O segundo semestre sempre é mais forte, porém, notamos uma incerteza muito grande em relação a este. É uma incógnita”, explica o diretor comercial da Kalce, Arnaldo Oliveira, que já espera manter o desempenho do ano passado.

A gaúcha Valeiko também deixou de lado sua previsão de crescer 20% neste ano em relação ao exercício anterior e teve que reduzir seu quadro de funcionários, de 25 para 12. A empresa faturou R$ 1,2 milhão em 2013. “Com essa reorganização no número de trabalhadores nós conseguimos reduzir os altos salários, diminuindo assim os custos fixos”, diz o proprietário da Valeiko, Tadeu Ferrat.

Já a cearense Apuana está mais otimista. A empresa mantém a expectativa de crescer 30% no ano em relação a 2013, mesmo diante da retração do mercado. A explicação para isso está no portfólio da empresa que é exclusivamente dedicado as sandálias de borracha.

“O varejo compra itens de primavera-verão, normalmente, no segundo semestre do ano”, diz o diretor comercial da Apuana, Ivanildo Modesto.

Durante a Francal 2014, o Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) cortou a projeção de alta de 3,6% na produção para 1,1% em 2014.

Conforto

Enquanto o mercado nacional de calçados sofre com a retração no consumo, os fabricantes de acessórios voltados para o conforto dos pés, como no caso das palmilhas usadas para auxiliar o uso dos sapatos, aproveitam um mercado com forte potencial.

A Mr. Step espera alta de 5% no faturamento em 2014, sem revelar as cifras do ano anterior. “Os consumidores estão cada vez mais exigentes e a procura de conforto. Isso movimenta a expansão do nosso mercado”, explica o diretor da Mr. Step, Fernando Schulman.

Já a Palterm aposta em avanço entre 8% e 10% na receita este ano, em relação aos R$ 50 milhões obtidos em 2013. “Pretendemos alcançar esse resultado com a entrada em novos pontos de vendas”, conta o gerente comercial da Palterm, Julio Eltz. (Fonte: DCI – 18/07/2014)

>> Leia a matéria na íntegra

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços

Deixe uma resposta

Recuperação do setor de calçados ficará para 2015, dizem fabricantes

Apesar de as empresas nacionais de calçados torcerem por uma retomada das vendas no segundo semestre de 2014, a redução de expectativas para produção e vendas e o fraco movimento na Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios 2014 (Francal) indicam que uma recuperação só virá em 2015, segundo fabricantes ouvidos pelo DCI na semana.

A Kalce, fabricante paulista de calçados masculinos, esperava um aumento de 21% da receita neste ano, mas a queda de 50% das vendas entre janeiro e maio levou a marca a trabalhar com uma expectativa mais modesta e a reduzir seu quadro de funcionários em 25%. Em 2013 a empresa faturou R$ 5 milhões, alta de 16% ante 2012.

“O segundo semestre sempre é mais forte, porém, notamos uma incerteza muito grande em relação a este. É uma incógnita”, explica o diretor comercial da Kalce, Arnaldo Oliveira, que já espera manter o desempenho do ano passado.

A gaúcha Valeiko também deixou de lado sua previsão de crescer 20% neste ano em relação ao exercício anterior e teve que reduzir seu quadro de funcionários, de 25 para 12. A empresa faturou R$ 1,2 milhão em 2013. “Com essa reorganização no número de trabalhadores nós conseguimos reduzir os altos salários, diminuindo assim os custos fixos”, diz o proprietário da Valeiko, Tadeu Ferrat.

Já a cearense Apuana está mais otimista. A empresa mantém a expectativa de crescer 30% no ano em relação a 2013, mesmo diante da retração do mercado. A explicação para isso está no portfólio da empresa que é exclusivamente dedicado as sandálias de borracha.

“O varejo compra itens de primavera-verão, normalmente, no segundo semestre do ano”, diz o diretor comercial da Apuana, Ivanildo Modesto.

Durante a Francal 2014, o Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) cortou a projeção de alta de 3,6% na produção para 1,1% em 2014.

Conforto

Enquanto o mercado nacional de calçados sofre com a retração no consumo, os fabricantes de acessórios voltados para o conforto dos pés, como no caso das palmilhas usadas para auxiliar o uso dos sapatos, aproveitam um mercado com forte potencial.

A Mr. Step espera alta de 5% no faturamento em 2014, sem revelar as cifras do ano anterior. “Os consumidores estão cada vez mais exigentes e a procura de conforto. Isso movimenta a expansão do nosso mercado”, explica o diretor da Mr. Step, Fernando Schulman.

Já a Palterm aposta em avanço entre 8% e 10% na receita este ano, em relação aos R$ 50 milhões obtidos em 2013. “Pretendemos alcançar esse resultado com a entrada em novos pontos de vendas”, conta o gerente comercial da Palterm, Julio Eltz. (Fonte: DCI – 18/07/2014)

>> Leia a matéria na íntegra

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços

Deixe uma resposta