Sinais de que o pior já passou…

A recente retomada da produção na indústria de transformação do Brasil, registrada pelo IBGE nos últimos meses, juntamente com a redução do ritmo de crescimento das importações de artigos confeccionados – de uma média de 30% ao ano para apenas 5% em 2013 – estão contribuindo para a avaliação de muitos analistas de que o pior já passou para nossos industriais do setor de vestuário.

Tal percepção se reforça ao considerarmos a evolução futura do câmbio, que tende a apresentar uma valorização continuada do dólar, nos próximos anos, ainda que em ritmo lento, em meio a expectativas de picos temporários de altas mais elevadas, com a redução dos incentivos à economia norte-americana.

Esse comportamento favorável do câmbio certamente ajudará a desestimular ainda mais as importações e a reduzir a pressão sobre as margens de lucro de nossas confecções.

Isso posto, há subsídios suficientes para embasar as expectativas mais recentes que apontam para uma consolidação da retomada da produção industrial no país nos próximos cinco anos, aí inserida a indústria brasileira do vestuário.

Entretanto, é preciso considerar que o que se espera para depois da “tormenta” é uma desanimadora calmaria, com previsões bastante modestas para os índices de crescimento do setor, a curto e médio prazo.

Pesam nessas mornas expectativas, entre outras coisas, a redução no ritmo de expansão do consumo das famílias e o acirramento da concorrência do varejo multimarca, principal canal de distribuição das confecções brasileiras, frente às grandes redes de varejo de moda, ainda em franco desenvolvimento.

Dentro desse cenário, as pequenas e médias empresas mais uma vez se veem diante de um grande desafio, que é crescer mais que o mercado, sem perder a lucratividade, mesmo que seu principal canal de venda não venha a apresentar expansão significativa nos próximos anos.

Na competição a ser travada daqui para a frente, uma vantagem que merece ser destacada é o fato de que ela tende a ser mais equilibrada, ao se concentrar mais entre as empresas nacionais, que produzem e competem dentro de um mesmo ambiente econômico.

É esperado, porém, que em função do diferente desempenho dos canais de varejo de moda, essa disputa tenderá a pender a favor das empresas de maior porte. Nos últimos dois anos, os estudos regulares do Iemi vêm apontando para um aumento na produção das grandes confecções de roupas do Brasil, em contraponto a uma redução nos volumes produzidos pelas pequenas e médias empresas do segmento.

Está contribuindo para o crescimento das grandes empresas, entre outras coisas, a implantação de uma estrutura de comercialização cada vez mais “multicanal”, composta de uma gestão comercial mais presente junto às lojas multimarcas, aliada à abertura de lojas de varejo próprias e franqueadas, e-commerce, venda porta a porta etc., enquanto a imensa maioria dos pequenos se mantém restrita ao varejo multimarca, e muitas vezes dependente da demanda gerada por suas lojas de pronta-entrega.

Para enfrentar os novos desafios que o mercado vem impondo aos pequenos e médios produtores de vestuário, o mais importante é respeitar a vocação da marca, valorizando e reforçando uma identidade própria e direcionando os maiores esforços à construção de diferenciais únicos, no que se refere tanto à linha de produtos quanto a serviços ao cliente e marketing.

Sejam de grande ou pequeno porte, sem dúvida, nunca antes as empresas brasileiras do vestuário se viram tão exigidas em termos de organização, inovação e conceito de marca. É chegada a hora de mostrar se são realmente capazes de se diferenciar e de se apresentar ao mercado de uma forma única ou, como preconiza o sr. Michel Porter, inigualável.

Um excelente 2014!

 

INDICADORES

– A produção de vestuário recuou 15,5% em setembro; já no acumulado no ano, ocorreu uma queda menor, de 2,5%, segundo a pesquisa industrial mensal do IBGE. O pessoal ocupado no setor recuou 0,2% no mês, porém, no ano, acumula um resultado positivo de 2,1%.

– As vendas no varejo de vestuário recuaram 11,9% em volumes e 11,4% em valores no mês de setembro, porém, no ano, acumulam um resultado positivo, de 3,2% nos volumes vendidos e 8,4% nos valores de receita.

– Segundo o IBGE, os preços do vestuário no varejo aumentaram 1,13% em outubro; já em relação a outubro do ano passado, houve alta de 5,71%.

– As exportações brasileiras de vestuário alcançaram US$ 119,5 milhões entre janeiro e outubro de 2013, com queda de 4,7% sobre o mesmo período de 2012, enquanto as importações chegaram a US$ 2,0 bilhões, com alta de 8,3%, elevando assim o déficit da balança comercial do setor em 9,2%.

 

Conjuntura do setor de vestuário no Brasil
1. Produção, emprego, preços (%)

No mês

No ano

Últimos 12 meses

. Produção física (setembro 2013)

-15,5%

-2,5%

-3,0%

. Emprego (setembro 2013)

-0,2%

2,1%

-1,1%

. Vendas no varejo em volumes (setembro 2013)

-11,9%

3,2%

3,6%

. Vendas no varejo em valores (setembro 2013)

-11,4%

8,4%

7,9%

. Preços ao consumidor (outubro 2013) IBGE (1)

1,13%

3,66%

5,71%

2. Comércio exterior (US$ 1.000)

Jan.-out. 2012

Jan.-out. 2013

Variação (2)

. Exportação

125.369

119.533

-4,7%

. Importação

1.867.588

2.021.946

8,3%

. Saldo (exportação – importação)

-1.742.219

-1.902.413

9,2%

Fontes: IBGE/Secex. Elaboração Iemi.
Notas: (1) IPCA – Índice de preços ao consumidor amplo – Brasil.
           (2) Variação de janeiro a outubro 2013 / janeiro a outubro 2012.

 

Marcelo V. Prado é sócio-diretor do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) e membro do Comitê Têxtil da Fiesp. (coluna.cp@iemi.com.br)

>> Leia o artigo na íntegra

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços


Comentários

  1. Haroldo - 4 anos atrás

    Prezado Marcelo,

    Excelente avaliação essa sua. Realmente, não é de se esperar que tenhamos um 2014 fácil. Contudo, verdade também, há oportunidades de crescimento, ainda que moderadas, para o setor.

    Caso o governo brasileiro não cometa nenhuma maldade de última hora (apagões, descontrole dos gastos públicos que possam nos levar a uma rebaixa de rating, políticas populistas, por conta das eleições), bem como as prováveis manifestações (que podem ocorrer no período da Copa do Mundo) não se transformem em guerras campais, o ano deve ser melhor do que o apontado pelos analistas ao final de 2013.

    Veremos...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.