Press Release: Reconquista do mercado interno é o desafio dos grandes fabricantes de artigos de cama, mesa e banho

Reposicionamento é a palavra de ordem para as grandes empresas e suas marcas famosas de artigos de cama, mesa e banho. Com a crise econômica nos mercados europeus e norte-americano (principais importadores de produtos brasileiros), elas voltaram a atenção para o mercado nacional.

 

Durante muitos anos, o mercado externo foi o destino prioritário das coleções de cama, mesa e banho fabricadas no Brasil. Foi o tempo suficiente para que as menores, voltadas essencialmente para o consumo interno, conquistassem mais consumidores. Além disso, mais recentemente, as importações também aumentaram e acirraram ainda mais a disputa pelo mercado interno. Essas e outras conclusões fazem parte do estudo Mercado Potencial de Cama, Mesa, Banho e Decorativos 2012, elaborado pelo Núcleo de Inteligência de Mercado do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI).

 

O Brasil passou de exportador de artigos de cama, mesa e banho para importador. No ano passado, pela primeira vez, as importações se sobrepuseram às exportações, gerando um déficit de US$ 182,2 milhões na balança comercial. De 2007 a 2011, as exportações caíram 66,9% em valores (em dólares).

 

Brasileiros consomem mais

O momento é propício para as empresas investirem no mercado interno. De 2007 a 2011, mudanças no câmbio, crescimento das importações e a queda das exportações favoreceram o consumo (aparente) interno. Houve incremento tanto no aumento da quantidade de peças consumidas como no valor gasto pelos consumidores.

Varejo

 O estudo do IEMI estima que o varejo tenha movimentado cerca de R$ 18,5 bilhões, considerando apenas os produtos de cama, mesa e banho. O varejo especializado é o principal canal de venda, com 41,2% do total de itens comercializados.

 

Informações gerais sobre o segmento cama, mesa e banho:

 

Quantidade de fabricantes: 1.393 (levando em consideração as indústrias que em janeiro de 2011 possuíam, no mínimo, cinco empregados em sua linha de produção)

Empresas por porte: as pequenas (de 5 a 19 funcionários) respondem por 68,5% do universo empresarial cadastrado e por 16,4% da mão de obra empregada no setor; as médias empresas (de 20 a 99 funcionários) respondem por aproximadamente 26,1% dos produtores cadastrados e por 26,4% dos empregos; e as grandes empresas (100 ou mais funcionários) participam com 5,4% dos produtores e 57,2% dos empregos gerados no segmento.

Produção: Em 2011, a produção de artigos têxteis para o lar atingiu 910 milhões de peças e houve retração de 11% em relação aos volumes produzidos em 2010.

 

Os interessados em adquirir a pesquisa devem entrar em contato com o IEMI(www.iemi.com.br) – Contato: 55 11 3238.5800

 

Informações à imprensa: ADS Comunicação Corporativa
Vera Santiago (11) 5090-3016 – veras@adsbrasil.com.br

Patrícia Fagueiro (11) 5090-3042 – patriciaf@adsbrasil.com.br


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.