O jeanswear é destaque na indústria de moda do Brasil

Peça-chave em qualquer guarda-roupa, com camisas, saias, calças ou bermudas, o jeans permite inúmeras combinações e está presente em todas as estações e tendências da moda. É também o segmento que mais cresceu entre todos os artigos de vestuário produzidos no país nos últimos anos.

De 2008 a 2012, a produção de jeanswear no Brasil apresentou forte crescimento em volume de peças confeccionadas, em ritmo superior a 6% ao ano, o que gerou expansão acumulada de 27% no período. Como base de comparação, esse crescimento supera em muito o desempenho da produção de vestuário em geral no país, que acumulou, no mesmo período, expansão de 4,1% em peças, a uma taxa de apenas 1% ao ano.

Esses dados estão sendo apresentados ao mercado pelo Iemi, em seu mais recente estudo sobre o segmento no país. Para os leitores desta coluna, antecipamos alguns insights exclusivos sobre esse estudo.

 

Produção e empregabilidade

O segmento de jeanswear conta com 6,2 mil empresas produtoras, que representam 22,4% do total das confecções de vestuário em geral. Essas empresas empregam 319,5 mil trabalhadores, ou seja, 26,3% do pessoal ocupado na indústria do vestuário. Ao todo, foram produzidos em 2012 349,8 milhões de peças com o tecido índigo em sua confecção, com destaque para as calças femininas, jaquetas, bermudas, camisas, saias e vestidos.

A maior concentração dessa produção ocorre no Sudeste, mas possui, também, forte representação no Sul e no Nordeste do país, com destaque para os estados do Paraná, Pernambuco e Ceará.

Número de indústrias e produção de jeanswear em 2012 por região

Região Indústrias Participação (em %) Produção (em 1.000 peças) Participação (em %)
Norte 6 0,1% 350 0,1%
Nordeste 1.241 20,0% 77.612 22,2%
Sudeste 2.648 42,8% 151.868 43,4%
Sul 1.222 19,7% 81.590 23,3%
Centro-oeste 1.074 17,4% 38.423 11,0%
Total 6.192 100,0% 349.842 100,0%

Fonte: Iemi.

 

Para 2013, as estimativas para a produção de jeanswear são de crescimento de 3,5%, enquanto para o vestuário em geral são de queda de 0,8%. Com isso, a participação desse produto no mix geral do segmento de vestuário deverá subir de 4,7% das peças confeccionadas para 6%. Em valores, essa participação é ainda maior, devendo alcançar 8,6% das receitas geradas por essa indústria em 2013.

Para o próximo ano, as expectativas continuam positivas e espera-se que esse produto continue a elevar sua participação dentro da produção brasileira de vestuário em geral.

 

Importados

Mesmo com o bom desempenho da produção nacional de jeanswear, as importações do produto avançaram bastante nos últimos anos, favorecidas pela forte valorização do real diante do dólar americano, o que afetou a competitividade dos produtos industrializados no país frente aos importados.

Mesmo com o forte crescimento das importações, a participação do jeanswear importado não deverá alcançar mais do que 6,3% do volume total consumido desse produto no país neste ano, preservando aos produtores e marcas nacionais o pleno domínio do mercado interno.

Tendo como matéria-prima básica o algodão, que é uma commodity com preços equivalentes internacionalmente, e contando com algumas das mais bem estruturadas e eficientes indústrias de tecelagem de índigo do mundo, a indústria de jeanswear do Brasil conta com recursos suficientes para se desenvolver, inovar e se diferenciar dos artigos básicos e baratos que chegam da Ásia. Sem dúvida, esse é um dos nichos do vestuário nacional que têm maior potencial para se desenvolver e ditar moda no Brasil e no exterior.

 

 . Indicadores conjunturais do vestuário em geral 

– A produção de vestuário avançou 16% em agosto, porém no acumulado no ano ocorreu uma queda de 1,5%, segundo a pesquisa industrial mensal do IBGE. O pessoal ocupado no setor recuou 0,4% no mês, porém, nesse indicador, acumula alta de 2,3% no ano.

– As vendas no varejo de vestuário obtiveram uma queda de 4,5% em volumes e 4,2% em valores no mês de agosto, mas acumulam um resultado positivo no ano, de 3,5% nos volumes vendidos e 8,8% nos valores de receita.

– Segundo o IBGE, os preços do vestuário no varejo aumentaram 0,63% em setembro; já em relação ao mesmo mês no ano anterior houve alta de 5,67%.

– Já as exportações brasileiras de vestuário alcançaram US$ 107,0 milhões entre janeiro e setembro de 2013, com queda de 2,9% sobre o mesmo período de 2012, enquanto as importações chegaram a US$ 1,8 bilhão, com alta de 8,2%, elevando assim o déficit da balança comercial do setor em 9,0%.

 

Conjuntura do setor de vestuário no Brasil
1. Produção, emprego, preços (%) No mês No ano Últimos 12 meses
. Produção física (agosto 2013) 16,0% -1,5% -3,2%
. Emprego (agosto 2013) -0,4% 2,3% -0,7%
. Vendas no varejo em volumes (agosto 2013) -4,5% 3,5% 4,0%
. Vendas no varejo em valores (agosto 2013) -4,2% 8,8% 8,0%
. Preços ao consumidor (setembro 2013) IBGE (1) 0,63% 2,50% 5,67%
2. Comércio exterior (US$ 1.000) Jan.-set. 2012 Jan.-set. 2013 Variação (2)
. Exportação 110.267 107.031 -2,9%
. Importação 1.646.228 1.781.681 8,2%
. Saldo (exportação – importação) -1.535.962 -1.674.650 9,0%

Fontes: IBGE/Secex – Elaboração Iemi.

Notas: (1) IPCA – Índice de preços ao consumidor amplo – Brasil.

(2) Variação de janeiro a setembro 2013 / janeiro a setembro 2012.

 

Marcelo V. Prado é sócio-diretor do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) e membro do Comitê Têxtil da Fiesp. (coluna.cp@iemi.com.br)

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.