Na mídia: Hipermercado dá banho de loja em roupas

Megalojas criam espaços com estilo de shopping center; híper é responsável por 7% do faturamento de vestuário

Estratégia tenta driblar perda gerada por terreno caro e trânsito, que empurra o cliente para comércio local

A seção de roupas dos hipermercados não é a mais a mesma. Pressionados pelos terrenos cada vez mais caros, que dificultam a instalação de grandes lojas, e pelo trânsito, que faz os clientes preferirem o comércio local, os hipermercados adotaram as roupas como estratégia para recuperar fôlego.

Para isso, estão adaptando o desenho da seção, aproximam o formato à função de shoppings, em que cada setor representa uma operação independente, uma espécie de “loja dentro da loja”.

VITRINES

O Extra Jaguaré, na zona oeste de São Paulo, foi escolhido para estrear neste mês um projeto-piloto: terá piso de madeira, vitrines e caixa independente.

O redesenho será expandido aos 133 hipermercados da rede até o fim de 2014.

No fim do ano passado, o Carrefour testou um novo modelo de loja em duas unidades no ABC. Já o grupo Walmart tem um modelo similar no Reino Unido e estuda implementá-lo no Brasil.

Para o coordenador do Núcleo de Varejo da ESPM, Ricardo Pastore, o modelo de lojas enormes em que todo produto recebe tratamento parecido já foi bem explorado, e reciclá-lo é saudável.

“Começamos a tirar a imagem de que no hipermercado só se comprava o básico ou de coleção antiga”, diz o diretor comercial têxtil do Grupo Pão de Açúcar, Sidnei Fernandes Abreu.

Os hipermercados respondem por 7% do faturamento de vestuário no Brasil, segundo o Instituto de Estudos e Marketing Industrial.

 

Veículo: Folha de S. Paulo – 01/06/2012

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.