Na Mídia: Crescimento do consumo moveleiro no Brasil se mantém estável

Desempenho do mercado em 2011 e estimativas para 2012 serão apresentados no Congresso Movergs nesta quinta-feira

Marcelo Prado, diretor do IEMI, estará à disposição da imprensa para entrevistas no Congresso. Interessados devem entrar em contato com Stella Kwan, pelo telefone (11) 5090-3028 ou (11) 9373-9638.

O consumo de móveis no Brasil cresceu 4,3% em 2011 frente a 2010, considerado o de melhor desempenho do mercado moveleiro. O crescimento deste mercado é altamente positivo, ainda mais se comparado ao consumo brasileiro no varejo em geral, que cresceu 1,6% no ano passado. Para 2012, as estimativas apontam para um crescimento praticamente igual, de 4% em volumes.

Esses dados fazem parte do Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil, realizado pelo Núcleo de Inteligência do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI). Amanhã, dia 5, os resultados completos serão apresentados no XXII Congresso Movergs, em Bento Gonçalves (RS), por Marcelo Prado, diretor do IEMI, durante o lançamento do estudo, às 8h30.

Alguns fatores contribuíram para o bom resultado de 2011 e a previsão estável para 2012 no consumo de móveis. “O boom imobiliário dos últimos anos, a melhoria de renda do consumidor, redução dos juros para venda a crédito, incentivos do Governo com a redução de impostos (IPI) e linhas de financiamento específicas do produto no programa Minha Casa, Minha Vida”, explica o especialista. No caso dos móveis para escritório, o crescimento no consumo se justifica pelo surgimento e expansão de novas empresas, além da chegada das multinacionais.

Produção

Na produção, 2011 acumulou 431 milhões de peças de móveis no Brasil, registrando um aumento de 4,2% sobre 2010. Em valores, esta produção equivale a R$ 29,5 bilhões, 11,2% superior. Já a previsão para 2012 é de alta de 3,5% em peças sob o ano passado e, em valor de produção, sobe 4,1% em comparação a 2011.

Segundo o estudo do IEMI, a produção de móveis de escritório é a que mais cresce no setor: 19% ao ano em volumes contra 6,4% dos residenciais e 4% dos colchões e cama box. “Os investimentos da construção civil em imóveis corporativos é o grande incentivador do mercado de móveis corporativos”, conta Prado.

Exportação: mais peças, menor rendimento

A exportação de móveis, que no início da década de 2000 chegou a quase U$S 1 bilhão, tem perdido força nos últimos anos, em função da valorização cambial do real. A moeda nacional fortalecida tirou força da exportação, historicamente um dos principais fatores de fomento da produção de móveis do Brasil.

Em 2011, o Brasil exportou 20,8% mais peças. No entanto, o rendimento advindo com essas exportações diminuiu 3,8% (em dólares). A exportação representou 3,6% no total de peças produzidas e 4,6% da receita da indústria moveleira. Para 2012, os resultados atuais projetam novo recuo no rendimento, de 4,4% (em dólares).

“Com o real valorizado, passamos a exportar produtos para novos mercados, como América do Sul, África, Ásia e Leste Europeu, fugindo das zonas do dólar e do euro, mas que consomem, em grande parte, produtos de menor valor agregado”, finaliza Prado.

Informações para a imprensa: ADS Comunicação Corporativa
Contatos: Vera Santiago e Stella Kwan
Tel.: (11) 5090-3016 / (11) 5090-3028
E-mail: veras@adsbrasil.com.br e stellak@adsbrasil.com.br

 

>> Leia a matéria na íntegra

 

>> Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.