Moda para público masculino impulsiona mercado brasileiro de roupas

Os homens gastam cada vez mais com moda e, quando compram, buscam qualidade e não apenas preço. A previsão da consultoria britânica MarketLine indica que até 2017 o segmento de moda masculina movimente US$ 23,6 bilhões no país. O crescimento nos últimos anos é contínuo. Parceiro da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) em estudos setoriais, o IEMI — Inteligência de Mercado, revela que o varejo de moda masculina cresceu 44,4% nos cinco anos entre 2007 e 2012,  chegando a R$ 47 bilhões naquele ano.

O Sebrae também buscou avaliar o potencial do mercado de moda no país, mas centrou foco nas classes C e D. Os dados que constam do boletim Perfil do Consumo de Moda no Brasil das Classes C e D, indicam que entre 2002 e 2012 o gasto da classe C com produtos de moda cresceu 153%, saltando de R$ 22 bilhões para R$ 55,7 bilhões (valor superior ao gasto somado das classes A e B em
R$ 10 bilhões). Nesse universo, 54% dos homens dizem ter interesse por moda e 61% afirmar optar por roupas de marcas conhecidas.

Grifes aderem às semanas de moda

De olho nessa nova demanda, as marcas têm investido no guarda-roupa dos homens. Prova disso é a adesão de grifes masculinas às semanas de moda pelo mundo, antes um ambiente dominado pelo vestuário feminino. Por aqui, o principal evento de moda do Estado endossa essa novidade: na próxima edição do Donna Fashion Iguatemi, três das 10 marcas que subirão à passarela irão desfilar tendências outono/inverno para eles: Spirito Santo, Brooksfield e Richards. Duas delas — Brooksfield e Spirito Santo — são exclusivamente de moda masculina.

A Spirito Santo, aliás, já colhe os bons frutos desse crescimento de mercado. Com oito unidades no Rio Grande do Sul, a primeira loja da marca em Santa Catarina foi inaugurada em Florianópolis, em novembro do ano passado e a empresa segue com planos de expansão pelo país. A meta é que, a cada ano, três novas lojas sejam inauguradas.

Fique ligado nas tendências

Um look que vai estar em alta este ano é a calça chino (de alfaiataria), combinada com camisas e jaquetas jeans. Dobre a barra da calça e complete o visual com um mocassim.

O coturno é outra tendência forte entre os sapatos.

Os homens também terão mais opções de acessórios, como as pulseiras de couro ou com contas de porcelana e prata.

Os óculos escuros vintage, arredondados, são uma opção atual.

Para aquecer o inverno, vão estar na moda os casacos e blazers bicolores, especialmente em preto e branco.

As cores em alta são as claras, como os tons pastéis, além do mostarda.

Dicas básicas de estilo

O primeiro passo é saber para quem você está se vestindo. A roupa vai ajudá-lo a construir a imagem que deseja.

Se você é um grande empresário, por exemplo, e quer ser visto como tal, deve se vestir a caráter.

Preste atenção na modelagem das roupas, percebendo se elas caem bem no corpo e se estão do tamanho correto.

A imagem vale muito e é analisada pelos outros desde o Instagram até o mercado de trabalho.

(Fonte: Diário Catarinense – 28/03/2014)

>> Leia a matéria na íntegra

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.