Jeanswear supera, ileso, estagnação da indústria do Vestuário no Brasil

A indústria do vestuário no Brasil, depois de crescer por sete anos seguidos, durante o período de 2004 a 2010, viu seu desempenho esmaecer diante dos efeitos da crise internacional sobre o dólar americano. Embora nunca tenha sido uma indústria com exportações significantes, diante da extensão da produção local, a valorização do Real foi determinante no estimulo às importações de roupas por parte dos grandes varejistas nacionais e, mais recentemente, pelas grandes marcas brasileiras em busca da complementação do seu mix de produtos.

Dentro deste processo, após bater seu recorde de produção em 2010, com 6,4 bilhões de roupas confeccionadas, e alcançar a 4ª. posição como maior produtor do planeta, o maior fora da Ásia, o setor de vestuário no Brasil vem enfrentando uma queda em seus volumes de produção desde então. A perda acumulada no período, já incluindo as estimativas para 2013, deverá chegar próxima a 4,5% em volumes, o suficiente para ceder sua posição para a Turquia, que assume este ano a condição de 4º maior produtor mundial.

É dentro deste cenário que observamos o segmento de Jeanswear destoando das demais do vestuário, mantendo um ritmo de crescimento superior a 6% ao ano, desde 2008.

 

. Crescimento

 Peça-chave em qualquer guarda-roupa, seja por meio de camisas, saias, calças ou bermudas, o jeans foi também o segmento que mais cresceu dentre todos os artigos de vestuário produzidos no país, nos últimos anos.

Há muito que sua importância tem sido destaque no cenário da moda brasileira, seja por envolver 6,2 mil empresas produtoras – 22% do total das confecções de vestuário do país – seja por empregar 320 mil trabalhadores, nada menos que 26% do pessoal ocupado pelo setor.

Em 2012 foram produzidas 349,8 milhões de peças, utilizando o tecido índigo em sua confecção, com destaque para as calças femininas, além de jaquetas, bermudas e camisas.

Para 2013, as estimativas para a produção de jeanswear são de crescimento de 3,5%, enquanto que para o vestuário em geral são de apenas 0,1%. Com isso, a participação desse produto no mix geral do segmento de vestuário deverá continuar a subir alcançando algo próximo a 6% do total das peças produzidas, ou quase 9% das receitas geradas por esta indústria no país, em 2013.

Para o próximo ano (2014) as expectativas continuam positivas e espera-se que este produto continue a elevar a sua participação dentro da produção brasileira de vestuário em geral.

É preciso considerar, entretanto, que apesar do bom desempenho da produção nacional de Jeanswear, as importações do produto avançaram bastante nos últimos anos, favorecidas pela forte valorização do Real diante do dólar americano, o que sempre afeta a competitividade dos produtos industrializados no país, frente aos importados.

Mesmo assim, a participação do jeanswear importado não deverá alcançar mais do que 6% do volume total consumido deste produto no país, em 2013, preservando aos produtores e marcas nacionais o pleno domínio do mercado interno.

Tendo como matéria-prima básica o algodão, que é uma commoditie com preços equivalentes internacionalmente, e contando com algumas das mais bem estruturadas e eficientes indústrias de tecelagem de índigo do mundo, a indústria de Jeanswear do Brasil conta com recursos suficientes para se desenvolver inovar e se diferenciar dos artigos básicos e baratos que chegam da Ásia. Sem dúvida, este é um dos nichos do vestuário nacional que tem maior potencial para se desenvolver e ditar moda no Brasil e no exterior.

Um excelente 2014 a todos!

 

. Indicadores Econômicos

Voltando ao vestuário, as vendas do comércio varejista recuaram no mês de agosto, ante a um crescimento no mês anterior de 3,0%. Em volumes físicos a queda foi de 4,5% e, em valores de venda, de (-)4,2%. No acumulado do ano, de janeiro a agosto de 2013, houve alta de 8,8% nas receitas e de apenas 3,5% nos volumes.

A produção nacional destes artigos, em número de peças confeccionadas, avançou no mês de agosto, com forte alta de 12,2% comparada ao mês de julho. No ano, ainda apresenta redução, de (-)1,7% em 2013, sobre o montante produzido em 2012.

As importações brasileiras de roupas, por sua vez, cresceram nesse mês, alta de 21,9% comparada ao mês de julho, acumulando (+)8,0% no ano. Já as exportações obtiveram forte alta de 33,7% no mês, porém, no ano acumularam queda de 2,8%.

 

. Desempenho Vestuário

Variação no mês 1

Variação Anualizada 2

  Vendas no Varejo (R$)

-4,2%

8,8%

  Vendas no Varejo (Peças)

-4,5%

3,5%

  Produção Industrial (Peças)

12,2%

-1,7%

  Importações (US$)

21,9%

8,0%

  Exportações (US$)

33,7%

-2,8%

Fontes: IEMI / IBGE / SECEX
            (1) agosto 2013 / julho 2013
            (2) janeiro-agosto 2013 / janeiro-agosto 2012

 

Marcelo V. Prado é sócio-diretor do IEMI – Instituto de Estudos e Marketing Industrial (coluna.wf@iemi.com.br).

 

Fique por dentro do mercado de Moda e Decoração

>> Curta o IEMI no facebook

>> Siga o IEMI no twitter

>> Conheça nossos Produtos e Serviços


Comentários

  1. Carlos Joao Marques - 4 anos atrás

    A projeção feita de crescimento para a indústria do Jeanswear ainda me parece modesta, se comparado com o consumo per capita do produto nos mercados americano e Europeu. Podemos e devemos acreditar que este valor pode ser bem maior nos próximos 10 anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os comentários são sujeitos a moderação antes de serem publicados. Campos obrigatórios são marcados com *.